domingo, 21 de fevereiro de 2016

Sobre o Cemitério Dos Caboclos.

No dia 25 de janeiro de 1835 em Salvador, Bahia, ocorreu uma mobilização de escravos de origem islâmica que lutaram contra o regime da época para libertar todos os africanos muçulmanos da região e também para tomar o poder do governo. Esta mobilização ficou conhecida como Revolta dos Malês e embora houvessem outras etnias envolvidas a sua grande maioria era constituída pelos Nagôs.




Esta mobilização durou apenas uma noite e após a vitória das tropas imperiais, alguns nagôs foram presos, outros deportados e outros condenados a morte. 
Anos depois, os participantes que foram libertos junto com os que não ficaram tão debilitados formaram um grande grupo nômade que adentrou os sertões da Bahia. Deste grande grupo muitos foram fixando moradia ao longo do caminho, percurso este que saiu da Bahia, passando por Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo.
   
A partir de São Paulo houve uma divisão do grupo, uma parte foi para a Província de Mato Grosso onde fundaram aldeias em diversos locais e tiveram até participação na fundação de onde hoje é atual capital, Cuiabá. A outra parte, por volta de 1850, chega a Quinta Comarca da província de São Paulo, atual Paraná.

Neste percurso, os nômades foram se mesclando as etnias indígenas assim como com outras etnias africanas que encontravam pelo caminho. Formaram uma sociedade relativamente bem organizada tendo como lideres Sebastião Subtil e Domingos Subtil. Do sobrenome destes líderes surge o termo que definiria este grupo, os Sutís.

No norte do Paraná, a miscigenação dos Sutis com os índios Guaranis dá origem aos caboclos Arés que formaram uma aldeia onde, de acordo com as tradições antigas da região, havia um curandeiro muito poderoso conhecido como Pai Sandú que orientava e auxiliava as pessoas que por ali viviam. Sua fama acabou chegando a outras regiões, pois a vila onde residia era no meio de um caminho de passagem comum aos índios antigos e que posteriormente foi utilizado pelos Sutís, ex escravos, caçadores e anos mais tarde pelos bandeirantes e tropeiros que ao passarem por lá ouviam historias e as levavam adiante. Com isso, o lugar ficou conhecido como Vila Do Pai Sandú.

Na mata densa um ponto de referencia no meio da trilha aos arredores da Vila era um pequeno cemitério indígena, que como qualquer outro cemitério deveria estar propositalmente num local diferenciado. Os cemitérios indígenas eram escolhidos através de observações feitas por um Sacerdote que analisava as pedras, as plantas, o sol, as estrelas e também através de contatos com entidades de outros planos. Assim que o local era escolhido as pessoas seriam enterradas e aquele local passaria a ser uma das portas de contato com os planos e seres de outras realidades. Este cemitério referido foi assimilado culturalmente pelos Arés.

Cemitérios, Igrejas, monumentos e muitos lugares sagrados e ou importantes da antiguidade foram construídos propositalmente no local onde estão. Esta escolha era feita, pois os envolvidos nas construções conheciam e utilizavam das energias que se localizavam nestes pontos específicos. Para se ter uma idéia de como estas energias podem atuar, é só lembrar de qualquer coisa que tenha ouvido sobre o Triangulo das Bermudas.

Com o passar dos tempos, esse conhecimento dos “lugares especiais” ficou restrito a um numero muito reduzido de pessoas que identificam estes locais através das Linhas  Ley, que é um assunto que vou abordar futuramente, por hora basta saber que estas linhas são linhas de energia que permeiam todo o globo terrestre e onde elas se cruzam acontecem coisas nada convencionais.

Sabendo que os cemitérios indígenas são construídos nos cruzamentos das linhas Ley, podemos deduzir que estes locais estão repletos de energias e seres astrais que ali podem se manifestar no plano material denso, muitas vezes a interação destas energias/seres com os seres humanos acaba causando problemas devido a estranheza do fato.

Décadas se passaram e hoje onde haviam trilhas existem estradas, onde haviam aldeias existem cidades e apesar do crescimento moderno algumas coisas resistem a tudo. É o caso de alguns lugares que mesmo nos dias atuais são conhecidos por suas historias e fatos estranhos. O cemitério que era referencia nas trilhas antigas ainda existe e esta localizado  próximo da PR 323 num município hoje conhecido como Paiçandu, no Paraná.

Atualmente este lugar carrega a fama de mal assombrado e muitos moradores da região contam sobre aparições de seres que apresentam características não humanas algumas vezes com aspectos bizarros. Muitas pessoas associam os acidentes que ocorrem na região a ma fama do cemitério. Dos tropeiros aos motoristas atuais, a história de que algo os atrapalha no caminho sempre se repete.

O fato de adeptos da Umbanda e do Candomblé utilizarem eventualmente o cemitério para realizações de alguns rituais também colaborou para que a fama de mal assombrado se espalhasse mais ainda. É desnecessário explanar sobre o preconceito existente em relação a estas tradições que mesmo nos dias de hoje são consideradas como “coisa do diabo”.

Anos após os bandeirantes chegarem ao local foram chegando também fazendeiros, comerciantes e aventureiros que aos poucos expulsaram e eliminaram os Caboclos de suas terras. Com a saída dos caboclos, o cemitério virou uma espécie de lugar para sepultar pessoas que não poderiam ser enterradas no cemitério oficial da cidade. Os moradores passaram a se referir ao local como Cemitério Dos Caboclos, onde eram enterrados ladrões, assassinos e indigentes em geral que ao serem eliminados em conflitos eram enterrados ali, pois geralmente não possuíam vínculos familiares na região, eram vagabundos aventureiros. Os antigos moradores acreditam que esta profanação de algum modo gerou uma série de maus fluidos que por ali ainda circulam.

Fazendo uma busca simples e rápida no Google utilizando as palavras "acidente PR 323 cemitério caboclos" encontrei de cara vários acidentes que ocorreram de fato praticamente em frente o cemitério, vamos destacar aqui os primeiros 13 que apareceram:

21/07/2015
Motociclista perde o controle e bate num outro veículo que se choca com outro veículo. Nenhuma morte, apenas feridos.

26/10/2014
Três veículos se chocam devido a uma ultrapassagem irregular. Uma Morte, dois feridos.   

11/07/2013
Um jovem de 23 anos perde o controle do veiculo e colide com um caminhão. Nenhuma morte, apenas feridos.

14/04/2015
Condutor perde a direção e se choca com outro veiculo. Nenhuma morte, apenas feridos.

10/07/2013
Uma carreta invade a pista contraria e colide com um veiculo. Quatro mortes e quatro feridos.

12/09/2014
Motorista ultrapassa e colide com uma carreta que vinha na pista contrária. Uma morte e um ferido.

04/03/2012
Carro colide com caminhão por motivos não identificados. Nenhuma morte, três feridos.

26/10/2015
Veiculo se choca contra caminhão devido a uma ultrapassagem irregular.

27/10/2012
Carro colide com ônibus devido a ultrapassagem. Não houve mortes, apenas feridos.

01/01/2014
Carro perde o controle e capota fora da pista. Uma pessoa se fere gravemente.

29/12/2013
Dois caminhões colidem e um carro se choca com ambos, o condutor do carro morre na hora.

27/04/2013
Carro colide com ônibus por motivos desconhecidos, sem mortes.

21/12/2013
Carro perde o controle e capota levando o condutor a óbito no local.

O Heresias Compartilhadas foi até o cemitério para conhece-lo e também para conseguir boas imagens. Fotos de Cahuê Sanches.










Na historia atual do Paraná a etnia Aré foi dissolvida e esquecida, nada se vê nos livros de historia sobre estes antigos habitantes da região. Pouco se fala sobre os Sutís e os remanescentes que ainda vivem no norte do Paraná não praticam seus antigos costumes e rituais e pouco sabem de suas origens.

Observando com atenção nota-se que os muros não estão lá a tanto tempo quanto a existência do cemitério, acredito que ele foi construído para demarcar mas provavelmente há restos mortais enterrados fora dos muros.

É triste ver como as pessoas tratam de forma desrespeitosa as antigas tradições e crenças que divergem da cristã. Apesar do cemitério ainda ser considerado sagrado para alguns, a grande maioria das pessoas da região o consideram como um local associado com o mal.

E para finalizar, um vídeo da entrada do cemitério:

video

Então era isso, espero ter conseguido passar essa primeira bola de 2016.
Tenham todos um bom inicio, meio ou final de semana.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Sobre os Conceitos Que Regem Nossa Vida e a Verdadeira Vontade.

Os conceitos que regem nossa vida cotidiana são construídos e influenciados por alguns alicerces que nos trouxeram até nossas condições individuais e coletivas atuais. Estes alicerces basicamente são:

Educação vinda dos pais
Instituições de ensino
Mídia
Nossas relações interpessoais

Inicialmente temos como ponto de partida todas as experiências fornecidas por alguns seres humanos que assim como nós tiveram seus alicerces construídos ao longo de suas vidas, e através deles teremos a primeira base de tudo o que está para ser construído em nós mesmos. Numa família padrão de nosso contexto ocidental, estes seres humanos são basicamente uma figura masculina e outra feminina, também conhecidos como pai e mãe.

Supondo que o indivíduo tenha passado pela primeira infância de forma relativamente saudável, sem grandes traumas primários e construindo também uma inteligência emocional relativamente normal, o próximo passo é o aprendizado da linguagem e ao mesmo tempo a absorção involuntária da cultura predominante do ambiente onde se encontra.

Absorvemos obrigatoriamente tudo àquilo que nossos pais nos ensinam e tomamos tudo como verdade absoluta. Aprendemos algumas leis morais do que é certo e do que é errado, do que é permitido e do que não é permitido, do bem e do mal e tudo isso possui uma forte ligação com as tradições locais que por sua vez receberam, mesmo que em algum momento remoto, alguma influencia religiosa.

No contexto no qual estamos inseridos, a maioria aprende desde cedo que existe um Deus bondoso, porém vingativo que irá nos punir caso entremos em conflito com o que nos é ordenado e aprendemos que apesar de nos amar, ele pode nos confinar eternamente num lugar desgraçadamente tenebroso onde um de seus anjos rebeldes toma conta de tudo com a ajuda de vários outros seres escrotos. Deus é amor.


A partir de agora, os seguintes alicerces não seguirão necessariamente uma linha retilínea, podem ser formados ao mesmo tempo e de forma interatuante.

Ao entrarmos no segundo alicerce, continuaremos nossa construção através das instituições de ensino, que nos convencem que tudo o que precisaremos fazer para viver sempre estará ligado a memorizar e repetir. Criatividade e compreensão não são necessários e o sucesso será determinado pelo acumulo de dinheiro ao longo da vida.

Se este período não for interrompido, será assim: Somos matriculados num sistema de doutrinação regulamentado pelo governo, aprendemos a não ultrapassar limites, somos estimulados a memorizar, reproduzir, obter boas notas e obter um diploma para quando sairmos deste sistema entrarmos num outro, atuando como um funcionário passivo, obediente e grato. Se o indivíduo possuir muita vontade e alguma oportunidade, continuará seus estudos em algum curso de ensino superior que seguirá basicamente essas mesmas regras, porém, após o diploma o salário poderá ser um pouco melhor.

Alguns ainda continuam estudando enquanto trabalham. Neste esquema existe uma minoria com alto poder aquisitivo que rege todos os princípios deste sistema educacional, mas isso é outra historia para outro post...

 
Nesta situação, percebemos que nosso tempo de trabalho será por no mínimo 40 horas semanais, para ir e vir deste trabalho utilizaremos no mínimo mais 10 horas durante a semana e tudo isso será basicamente para pagar as contas que acumulamos ao longo de todo este processo.

Sem tempo e disposição para raciocinar, para utilizar a criatividade e nos autoconhecer, como faremos para tomar as decisões que irão nos dar a alegria e o prazer de viver a cada dia?

Esta pergunta nos levará ao próximo alicerce, que é o responsável por nos mostrar quais são as melhores coisas que devemos escolher para nossas vidas adultas, a Mídia.


Ao chegarmos em nossos lares, após uma jornada de trabalho tediosa e cansativa, tudo o que precisamos é sentar em algum lugar confortável e entorpecer a mente com algo compreensível, de fácil assimilação e prazeroso, exatamente o que a mídia nos oferece.

Não precisamos pensar nem refletir, pois eles fazem isso por todos nós. Num estado de letargia mental, onde abrimos nossas mentes para que tudo entre sem nenhum problema, aceitamos os padrões impostos e precisamos entrar nestes padrões para nos sentirmos felizes e satisfeitos.

Compre, financie, vote, coma isto, beba aquilo, vista isso, tenha este cheiro, fale assim, seja assim, enfie isso no meio do seu rabo e seja feliz. Sentimos prazer em adquirir coisas estúpidas que não precisamos com o dinheiro que não temos.

Alimentamos todos estes estímulos conversando e interagindo com nossos amigos e conhecidos, trocando ideias sobre o que esta sendo veiculado no momento e compartilhando a ilusão de conhecimento aguardando ansiosos por cada like recebido.

Acreditamos que sabemos sobre tudo e gastamos muito tempo discutindo sobre acontecimentos e fatos insignificantes como se fossem fundamentais. Lutamos fervorosamente por uma ideia que defendemos sem mesmo saber o motivo de simpatizarmos com esta ideia.Todas as pessoas que você conhece passaram por todos estes processos e através da interação com eles construímos o nosso ultimo alicerce que são nossas relações interpessoais.


Quando nos encontramos num contexto onde a maioria vive exatamente de acordo com o que foi exposto no texto, percebemos que qualquer pensamento, ação ou o que quer que seja que vá contra estes princípios são vistos como algo extremamente errado, passível de condenação coletiva.

Em algum momento da vida o indivíduo, mesmo seguindo a risca o que lhe é imposto, sente que algo não está certo. Por não identificar um motivo acaba entrando num estado de angústia e frustração, desencadeando assim uma enxurrada de amarguras e doenças psicossomáticas. Sem ter a menor ideia do porquê, priva-se de desejos e sonhos, condena comportamentos e opções alheias e odeia tudo e todos que não se enquadram no seu esquema de verdade absoluta.

 “A projeção é um processo inconsciente automático, através do qual um conteúdo inconsciente para o sujeito é transferido para um objeto, fazendo com que este conteúdo pareça pertencer ao objeto”


Muitas vezes alguns atributos pessoais de determinado indivíduo (pensamentos considerados por ele mesmo como inaceitáveis, por exemplo), são projetados inconscientemente no outro. Esta projeção ocorre quando os sentimentos ameaçadores ou inaceitáveis de determinada pessoa são reprimidos então, projetados. Este mecanismo de defesa psicológico reduz o desconforto do indivíduo por permitir que sua mente acredite falsamente que aquele sentimento indesejado seja visto como algo que não é dele.

As pessoas estão lutando entre si e defendendo posições das quais elas não sabem se realmente estão de acordo, pois nunca pararam para pensar sobre elas. Estão vivendo a vida que outros querem que elas vivam e não sabem o que realmente querem.



Ao nos darmos conta de que estamos no meio disso tudo, o primeiro passo é compreender em qual contexto social estamos inseridos, compreendendo isso, devemos buscar o autoconhecimento. É através dele que vamos descobrir quais são nossas verdadeiras duvidas, anseios, paixões, sonhos e finalmente qual é nossa verdadeira vontade.

Não é um caminho fácil, lembre-se que fomos condicionados durante toda a vida a trilharmos o caminho oposto a este. É preciso entender que a maioria dos que estão a nossa volta se manterão por um tempo neste mundo de ilusão (principalmente nossos entes mais próximos), e por estarmos acordados temos a obrigação de reforçarmos nossa cota de paciência com todos eles, sem impor nosso ponto de vista como único e verdadeiro.

Conhecendo a nós mesmos saberemos que nossas escolhas são realmente nossas, e ao optarmos por seguir um caminho próprio tudo passará a fazer sentido e o que era feito por obrigação passará a ser feito por opção. Naturalmente, não iremos alienar aqueles que precisarem de nossas instruções e ensinamentos. O trabalho se tornará edificante, as coisas se tornarão mais claras e nossos erros servirão como ferramentas de aprendizado. Muitos tentarão nos tirar deste caminho, muitos se afastarão e muitos irão nos chamar de insanos, mas ninguém poderá tirar a paz de quem estiver vivendo a sua verdadeira vontade.

Então, era isso! Espero ter conseguido passar a bola.
Tenham todos um bom inicio, meio ou final de semana.

Todo homem tem direito de descansar como quiser
De morrer como quiser
O homem tem direito de amar como ele quiser
De beber o que ele quiser
De viver aonde quiser
De mover-se pela face do planeta livremente sem passaportes
Porque o planeta é dele, o planeta é nosso.
O homem tem direito de pensar o que ele quiser, de escrever o que ele quiser.
De desenhar, de pintar, de cantar, de compor o que ele quiser
Todo homem tem o direito de vestir-se da maneira que ele quiser
O homem tem o direito de amar como ele quiser, tomai vossa sede de amor, como quiseres e com quem quiseres
Há de ser tudo da lei

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Sobre os Pequenos Delitos Cotidianos e as Dorgas, Manolo.



É estranho perceber como tantas pessoas apoiam e ficam eufóricas com uma felicidade de quase gozo em relação as punições extremas aplicadas em alguns países. Neste início de 2015, muito se fala a respeito de um determinado traficante condenado a morte num pais oriental, com isso,  tenho visto muitas coisas do tipo “ Fulano pra presidente do Brasil!”, “Aqui tinha mais era que ser assim!”, “ Precisamos de punições  assim!”, “ Se aqui fosse igual, a coisa não estaria como está!” e diversas outras frases seguindo estes padrões.

Velho, é sério mesmo? Todos vocês que repetem estas bobagens realmente sabem do que estão falando? Pois eu duvido. Entendam uma coisa, todos vocês estariam fodidos caso adotássemos um sistema extremo como estes que vocês tanto aplaudem. Repito, todos vocês estariam FODIDOS.  E sabem por quê? Porque pouquíssimas pessoas seguem a lei e ponto final. 

O que temos são pessoas que, por algum motivo se julgam idôneas por considerarem a “pequena” infração ou corrupção praticada no dia a dia, como algo inofensivo e que não existe mal algum em fazer o que todo mundo sabe que não se pode fazer, mas ainda assim o fazem. São tantos os exemplos que não caberiam num só paragrafo, uma carteirinha falsificada, um gato na tv a cabo, a compra de um DVD pirata, um suborno entregue ao guarda para não receber uma multa, um caso extra conjugal, umas cervejinhas antes de dirigir, não devolver aquele troco a mais que veio errado, encontrar um objeto de valor na rua e ficar com o mesmo para si, e daí pra frente.
  
Se você não apoia ou não pratica uma pequena corrupção diária (que eu duvido muito) tenha certeza que seu pai, sua mãe, seus irmãos, tios, avós, amigos ou algum ente querido, pratica, praticaram ou são cúmplices de alguma delas e um de vocês, dentro de um sistema legal seguido a risca, acabariam por tomar no meio do rabo de alguma maneira.  “Ah! Mas se eu ficar com o troco a mais que me deram por engano ninguém vai morrer por isso!” Neste caso a questão não é essa, pequeno moralista, e sim a sua atitude de escamotear algo que não é seu, foda-se se é grande ou pequeno, valioso ou sem valor, se não é seu você está tomando posse de algo de forma indevida, tecnicamente, é o mesmo que apropriação indébita, ou seja, crime que daria de 1 a 4 anos de prisão aqui no Brasil.

Entendem o raciocínio? Todos estes  que aplaudem as tais punições exageradas aplicadas nas pessoas que quebram as regras, são justamente as pessoas que rotineiramente quebram as mesmas regras, em escala menor ou maior.

Se o sistema legal atual de nosso país não é passível de ser seguido na íntegra, imaginem estes sistemas de outros países que tantos querem trazer até o nosso. Aconteceria que grande parte da população (incluindo os defensores das punições exageradas) ao caírem nas mãos da justiça, teriam suas vidas absurdamente prejudicadas por estarem agindo de forma normal, segundo seu próprio julgamento.

"Ok, mas o cara lá era traficante! Era um bandido, e todos sabemos que bandido bom é bandido morto! Se você ta com pena leva ele pra casa!"

Bom, então retomando o inicio do post, sobre a punição recebida pelo traficante brasileiro na indonésia,vamos refletir sobre a política de combate as drogas que muitos defendem. Para isso, vamos analisar uma excelente arte de Stuart McMilen.

Antes de tudo, quero deixar claro que o traficante referido não me é admirado em nenhum aspecto. Até onde sei, era o típico playboy baladeiro e obtuso como tantos outros por aí. Considero apenas um azarado que estava no lugar errado na hora errada, fazendo algo que independente da sua opinião, meu amigo, é algo muito normal e antigo, vender substancias entorpecentes para pessoas adultas que queiram usa-las, que independente da proibição continuarão usando.

Então, vamos separar as crianças dos adultos, se liga que o papo é reto:


























 
Então era isso! Espero ter conseguido passar a bola! Tenham todos um excelente inicio, meio ou final de semana.

sábado, 24 de maio de 2014

Sobre Banshee, Blood Mary, a Mulher de Branco e a Cidade do Rio Quente.




Existem inúmeros casos de aparições, manifestações e contatos com seres que aparentemente não possuem características e comportamentos humanos e são assim considerados como seres/fenômenos sobrenaturais.

Para entendermos estes fenômenos antes é preciso ter conhecimento de que este plano material denso (no qual você se encontra neste exato momento lendo este texto) não representa toda a nossa realidade, e sim parte dela.

Para quem chegou agora, recomendo que leiam os Posts anteriores AQUI , AQUI e AQUI


Casos sobrenaturais que envolvem mulheres de branco são facilmente encontrados em diversas culturas e tradições do mundo. Desde muito tempo histórias envolvendo estas figuras acompanham gerações.

Temos como exemplo da Irlanda antiga a misteriosa Ben Side, que traduzindo ao pé da letra seria algo como "Mulher Fada" ou ainda "Mulher Encantada". Do irlandês arcaico para o moderno o nome Ben Side mudou para Bean Sidh e nos dias atuais é mais conhecido como Banshee.





Quando alguém encontrava uma Banshee, geralmente dava merda. A aparição destes seres estavam associados ao anuncio de uma morte ou de um acidente. As Banshees geralmente eram mulheres com longos cabelos e vestimentas brancas que apareciam a noite e que ao aparecerem cantavam, ou gritavam, ou apenas olhavam fixamente para aquele que era assombrado. A Banshee deu origem a Whoman in Whithe norte americana que aparecia principalmente para viajantes nas estradas. No Oriente temos as mesmas lendas com alterações pequenas, assim como aqui na América do Sul. Fora alguns pequenos detalhes a história sempre é protagonizada por uma mulher de branco que morreu violentamente ou cometeu suicídio.

As mulheres de branco também costumam assombrar banheiros pelos colégios e residências do mundo a fora. São conhecidas como Blood Mary, Loira do Banheiro e também Maria
Sangrenta.

Estas lendas também possuem pequenas variações mas no final repetem os mesmos padrões das Banshees. No caso da Blood Mary temos duas particularidades relevantes, ela pode ser invocada por um ritual (Varia de acordo com a região,o básico é chamar ela pelo nome 3 vezes em frente do espelho) e ela pode ter uma origem esotérica diferente, pode não se tratar de uma alma e sim de uma construção astral. Quem leu os textos indicados no inicio deve ter lido que uma construção astral se faz com pensamentos repetitivos que se tornam mais fortes caso você os faça num mesmo local nas mesmas condições. Agora imaginem a força que uma construção astral pode ter se for auxiliada com a energia de algum fluido humano, como sangue ou semem por ex. Então, tendo por base que as histórias das mulheres de branco dos banheiros surgiram em internatos masculinos, podemos inferir que um bando de punheteiros juvenis construiram estas imagens, que por sua vez se tornaram Succubus que eventualmente eram vistas no PMD e acabaram dando origem a lenda.

No Brasil, mais precisamente em Goiás, na cidade do Rio Quente, temos uma história interessante:

Há muitos anos atrás, numa pousada antiga da região, uma jovem noiva morreu misteriosamente dentro de seu quarto, após sua morte muitos funcionários da pousada afirmaram terem visto esta jovem perambulando pelos corredores e espaços abertos da pousada. Esta história é mencionada num livro de Arnaldo Nogueira, Rio Quente - Uma historia aquecida pelas próprias águas. A lenda é tão presente na região que nos desfiles dos aniversários da cidade sempre há alguma jovem que em homenagem a noiva se veste como tal e desfila pela cidade.


Mas, a lenda vai muito além disso. Moradores antigos afirmam que está mulher de branco aparece na região muito antes da suposta jovem noiva ter vindo morrer por aqui. Alguns afirmam que esta aparição tem origem em tempos mais antigos, antes mesmo dos colonizadores. Juntamente com a mulher de branco os antigos falam a respeito de Homens com ternos pretos que aparecem e somem do nada, luzes estranhas que entram e saem da Serra de Caldas, assim como almas perturbadas de índios que foram dizimados para dar lugar ao vilarejo que hoje é o município. Dizem que a antiga pousada foi construida em cima de um cemitério indigena onde hoje está localizado o Hotel Pousada, parte do complexo do Rio Quente Resorts.

Algumas pessoas afirmam que muitas vezes ao tirarem fotos do local, é possível ver algo estranho.

Em 2012 havia um quadro na recepção do espaço administrativo do Resort e rumores afirmavam que nesta foto era possível ver a tal mulher e também um índio. Neste ano mencionado tive a oportunidade de ver este quadro e consegui filma-lo (Já aviso que a qualidade do vídeo não é lá essas coisas) e de fato havia algo nele. Pareidolia ou almas penadas, cada um tem sua opinião sobre as imagens. Fato é que quando o rumor tomou proporções maiores o quadro desapareceu e ao perguntar sobre ele, poucos são os funcionários que admitem que um dia ele esteve lá naquela parede.

Aos 27 seg. aparece a suposta mulher de branco, aos 50 um suposto índio:


SERRA DE CALDAS é um lugar muito diferente, cheio de histórias, belezas naturais, luzes cabulosas e assombrações. O Heresias recomenda uma visita neste lugar.

Então era isso, espero ter conseguido passar a bola.
Tenham todos um excelente início, meio ou final de semana.


quinta-feira, 3 de abril de 2014

Sobre o Jogo Que Nos Levará Para o Inferno



Imaginem um mundo fictício onde as Igrejas  são usadas por pessoas trapaceiras e inescrupulosas para lavar dinheiro do crime, vender porcarias inúteis, explorar a boa fé de pessoas ignorantes e obter poder político; um universo muito diferente da nossa realidade. Pois bem, esta é a descrição do universo do Pequenas Igrejas Grandes Negócios, um Cardgame de Ficção Científica que está sendo desenvolvido , enquanto isso, o H.C adiantará algumas informações.

Bem vindos ao PIGN!



Segundo um dos responsáveis por esta Heresia, Marcelo Del Debbio, eis as regras do jogo: 

"Serão muito simples". Basicamente cada Jogador sorteia (ou escolhe, dependendo do combinado) um Pastor e uma Igreja. Cada um tem poderes específicos adaptados à zoeira com cada um deles... então os pastores sentam ao redor da mesa, compram cartas, atacam uns aos outros, compram empreendimentos, usam picaretagens, gritam louvores, roubam investimentos uns dos outros e tentam ganhar mais dinheiro, fiéis e benefícios governamentais; ao mesmo tempo em que tentam destruir a reputação uns dos outros.

 Estas serão algumas das cartas:

Filha de família rica, decidiu doar tudo para a caridade e se dedicar de corpo e alma para a divulgação do evangelho, pedaço por pedaço...
 

O Pastor Walter Miro sabe que crente que é crente não dá o dízimo, dá o Trízimo... 10% para o pai, 10% para o filho e 10% para o Espírito Santo!
 

Membro da Comissão dos Direitos Inumanos, ele simplesmente O-D-E-I-A todo mundo. Autor de diversos projetos envolvendo cores erradas, etnias que não combinam, maldições de Noé e muitas outras pérolas, que usa em seu colar super charmoso quando ninguém está olhando.
 


Sinceramente, estou ansioso para jogar esta bagaça. Afinal, quem de nós não gostaria de viver num mundo sem noção onde coisas tão absurdas assim acontecem, não é mesmo?

O Heresias aprova este Jogo! 

Para os interessados em acompanhar o projeto, cliquem AQUI